Arco e flecha indígena: ouro olímpico e autoestima

Um dos principais desafios do Brasil, para a Olimpíada Rio 2016, é ganhar um número de medalhas a altura da posição que o país ocupa no cenário internacional. Somos a sétima economia e a quinta maior população do mundo. Em Londres, ficamos em vigésimo segundo lugar no ranking de medalhas. Não se trata apenas de ficar “bem na foto”: investir em esporte tem impactos positivos na formação das pessoas e no processo de desenvolvimento das sociedades humanas.

Dentre as muitas modalidades olímpicas uma merece especial atenção: arco e flecha. Nenhuma outra modalidade se relaciona de forma tão clara e óbvia com a história do Brasil e da Amazônia.  As populações indígenas habitavam todo o território nacional na época da chegada dos europeus. Foram dizimadas por guerras, escravidão e doenças. Temos uma dívida histórica a ser resgatada.

O Brasil possui, hoje, mais de 300 etnias e uma população de cerca de 900 mil indígenas. Existem ainda mais de 50 grupos isolados, ainda não contatados, no interior da Amazônia. De maneira geral, a situação das populações indígenas do Brasil é muito ruim, infelizmente. Os elevados índices de suicídio de diversas etnias atestam de forma eloquente uma trágica realidade. A autoestima das populações indígenas é baixa, fruto da pobreza, preconceito e exclusão social. Os índices de alcoolismo são elevadíssimos. O acesso à saúde e educação está entre os piores do país. Predomina a desesperança.

A boa notícia é que existe um movimento de fortalecimento da cultura indígena, incluindo promissoras iniciativas de educação bilíngue e de resgate de tradições culturais. Existem também projetos bem sucedidos de geração de renda baseados no uso sustentável dos recursos naturais. Muitas populações indígenas possuem grandes reservas oficialmente reconhecidas e demarcadas. Para muitas etnias já é possível ver uma luz no fim do túnel.

Crianças indígenas aprendem a manusear o arco e flecha ainda na infância. Os adolescentes já caçam com maestria, alguns alcançando pássaros em pleno voo, como araras. Não teriam eles mais chances de conquistar o ouro olímpico do que jovens urbanos da Coréia ou da Rússia?

Há muito tempo, venho pensando em um proposta simples e ousada: um projeto para conquistar o ouro, a prata e o bronze olímpicos com jovens indígenas! Já temos o principal: o elemento humano. Falta apenas agregar a isso o necessário planejamento e apoio técnico, financeiro e institucional. Trata-se de um projeto que deve unir empresas privadas seriamente comprometidas com o esporte olímpico, governos e organizações da sociedade civil, especialmente aquelas que representam as populações indígenas. Essa união de esforços deve agregar os profissionais do mais alto nível na área do esporte e as organizações desportivas. Temos uma oportunidade única na Rio 2016!

Em março de 2013, demos um passo importante. Lançamos a Escola de Arqueria Floresta Flecha e o Projeto de Arqueria Indígena e Ribeirinha na Rio 2016. Trata-se de uma parceria envolvendo a Federação Amazonense de Tiro com Arco (FATARCO), em parceria com a Confederação das Organizações e Povos Indígenas do Amazonas (COIPAM), a Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB), a Secretaria de Estado da Juventude, Desporto e Lazer do Amazonas (SEJEL) e a Secretaria de Estado para os Povos Indígenas (SEIND). É o primeiro passo de uma longa jornada.

A seleção dos primeiros jovens a fazerem parte da iniciativa ocorreu durante três meses, março a junho, na Área de Proteção Ambiental (APA) Rio Negro. Oito comunidades indígenas participaram do processo e 12 jovens, de 14 a 19 anos, de diferentes etnias foram selecionados para se deslocarem até Manaus, onde participaram do I Curso Intensivo de Tiro com Arco e Seletiva indígena, que ocorreu entre os dias 19 e 22 de junho.  Nesta etapa, 10 deles foram selecionados, os quais retornam, nesta semana, para a segunda seletiva. Em setembro e outubro acontecerá a terceira e a quarta eliminatória, respectivamente. Os três selecionados estarão no Campeonato Nacional, que acontecerá em Belo Horizonte (MG), entre os dias 10 a 17 de novembro, para sentirem o ambiente da competição e torná-los aptos a Olimpíada de 2016.

O projeto já foi protocolado na Lei nº 11.438/06, ou simplesmente Lei de Incentivo ao Esporte, que estabelece benefícios fiscais para pessoas físicas ou jurídicas ao estimularem o desenvolvimento do esporte nacional, por meio da doação para projetos desportivos e paradesportivos.

O sucesso dele não é apenas um caminho a mais para a necessária conquista de medalhas olímpicas. Será uma inestimável contribuição para resgatar uma dívida histórica que temos com as populações indígenas. Terá um enorme impacto positivo para a autoestima e o futuro das populações indígenas de todo o Brasil.

Artigo publicado no Jornal Diário do Amazonas, em 22 de agosto de 2013

Um comentário

Vamos debater este assunto?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s